Conheça a história de jovens mães que dão um show na criação dos filhos.

Todas as mães merecem amor, apoio e respeito. Se já existem pessoas dando palpites desnecessários, imagine quando se é uma jovem mãe? Infelizmente ainda vivemos em um mundo que condena e subestima mães pela idade. Fato é que ser mãe adolescente nunca é fácil e ninguém precisa deixar ainda mais pesada essa situação.
Vivemos em um país em que não há controle de natalidade, educação sexual em escolas é um tabu e cada vez mais aumentam os números de gravidez na adolescência. É preciso consciência, uso de preservativos para evitar não só gravidez mas doenças sexualmente transmissíveis e excelentes opções de estudo e planejamento familiar para a população.

Mas humanizando o assunto, vamos mostrar como duas mães jovens superam os obstáculos diários de uma gravidez nessa fase da vida.

Mas e as jovens mães, como se sentem?

Paloma surpreende à todos sustentando seu filho como influenciadora digital e social media.

“Quando eu engravidei aos 22 anos, foi um susto gigante, tanto pra mim, pais e pai do meu filho. Eu tive de imediato, apoio dos meus pais, já o pai do meu filho me pediu aborto e quando eu recusei, me abandonou na gravidez. A partir daí, enfrentei uma luta sozinha, luta de preconceitos, gente da família olhando torto, indo sozinha a exames, e carregando sozinha nos ombros toda gravidez e suas consequências.”. Quando seu filho nasceu, sentiu que foi a melhor coisa que aconteceu na própria vida. “Ele trouxe luz, paz, amor e encanto pra minha vida. Precisei trancar minha faculdade por 1 ano e meio e ficar alguns meses sem trabalhar pra cuidar dele, pois sempre fiz questão de acompanhar cada fase do meu filho e não perder nada”.

O pai do filho assumiu a responsabilidade também. De acordo com Paloma (e muitas outras mãe solo), o pai não facilita para que a convivência seja harmoniosa. “Hoje, ainda vejo preconceitos mas encaro tudo com muita força e não me deixo abalar, só eu sei da minha luta, as pessoas e sociedade, não a conhecem e julgam o que lhe convém. Tenho muito orgulho de ser mãe solteira e de ter tido meu filho tão jovem, pois ele me ensina muito a cada dia que passa”.

Versatilidade é o lema

Conheça a história de jovens mães que dão um show na criação dos filhos

Paloma dá um show de versatilidade e determinação: estuda arquitetura e faz dinheiro trabalhando pela internet. Com mais de 30 mil seguidores no instagram, trabalha para aplicativos que fazem transmissões ao vivo e seus resultados são de cair o queixo. Além disso, aprende tudo sobre mídias sociais para garantir excelência em suas entregas de materiais de parcerias e contratos que fecha para postar fotos e vídeos nas suas mídias sociais. É convidada para eventos onde esbanja simpatia.

Para conhecer melhor seu trabalho, clique aqui.

E, surpreendentemente, ela encontra tempo para estudar arquitetura! Conta com o apoio da família para cuidar do seu filho para manter os estudos e trabalhos em dia.

Mãe artista

Se foi difícil para Paloma ser mãe aos 22, imagine para Mariana que descobriu a gravidez aos 16 anos, ainda no segundo ano do ensino médio.

“Minha filha nasceu quando eu tinha 17 anos e devia estar cursando o terceiro ano do ensino médio”, relata. Concluiu o segundo ano do ensino médio grávida, mas no início do último ano do ensino médio, abriu mão da escola pela gestação já avançada. Sua filha, Iara, nasceu em maio. Em agosto, Mariana correu atrás de um supletivo e se formou na época prevista, no final do ano. Mas, mesmo assim, ela precisou de cara abrir mão dos estudos. Após a filha nascer, abriu mão de passar tempo com ela para estudar.

A vida de jovens mães sempre parece um levar à decisões em que elas precisarão escolher do que abrir mão primeiro. Além disso, há inúmeros comentários pejorativos que as pessoas fazem sempre. “A reação das pessoas costumava ser invasiva, constrangedora”, afirma Mariana. Vários comentários são para desqualificar a mãe. “Vocês vão parecer irmãs”, soa aos seus ouvidos como se você fosse incapaz de assumir a maternidade nesse contexto. É como se a mãe, por ser jovem, não tivesse condições de ser responsável. Existem mães que não são responsáveis com os filhos? Claro, mas a idade não precisa ser o fator determinante para isso.

Leia mais: Mãe após os quarenta: tudo sobre gravidez nessa fase

Sonhos adiados

O sonho de Mariana sempre foi trabalhar com dança, especificamente Jazz. De acordo com a sua mentalidade da época e após ouvir inúmeros conselhos, colocou na cabeça que precisava de “uma profissão que dê dinheiro para ela sustentar a si e a filha”. Por isso fez alguns semestres de arquitetura, largando logo em seguida por não conseguir forçar uma situação em que ela não cabia. Pensou por alguns segundos em fazer dança fora da sua cidade, até se questionar como faria isso com uma filha de 2 anos à tira colo. Se já era difícil morando com os pais, com ajuda diária, imagine estudando e sozinha com a criança?

Seguiu rumo ao teatro, sempre unindo música aos seus projetos. Assim conheceu a palhaçaria, que a ajudou muito como ser humano, profissional e mãe. Formou-se em teatro pela UFMG.

Conheça a história de jovens mães que dão um show na criação dos filhos

Empoderamento pelo trabalho

Seu trabalho a empodera seja em auto conhecimento, pessoal e espiritual. Seu coração se enche de alegria ao lembrar a importância do seu trabalho no contexto social. Trabalhar com arte envolve muitas questões “marginalizadas”. O que fortalece Mariana, que peita sem dó questões referente à arte e política.

A palhaçaria foi fundamental para essa jovem mãe na ajuda para compreender os próprios processos e até mesmo se acolher. Quando sua filha completou 10 anos, houve um “clique” na sua cabeça. Quando Iara tinha por volta de 6 anos, Mariana optou por correr atrás de se firmar profissionalmente. Além disso, começou a explorar situações que não viveu antes como viagens com amigos, saídas. E confessa que dói um pouco, pois acha que correu tanto atrás do trabalho e de equilibrar sua vida como pessoa e mãe a ponto de perder um pouco a infância da filha. E procura se acolher e não deixar a culpa (que toda mãe sente) tomar conta . O empoderamento financeiro é fundamental para toda mãe e uma questão muito delicada, afirma Mariana.

Acolhimento e disposição

Conheça a história de jovens mães que dão um show na criação dos filhos

📷 Bartira Prosdocimi

Mariana sempre acolheu a chegada da sua filha apesar de todos os medos. Imagine engravidar aos 16 anos? A relação familiar também não foi fácil, incentivando Mariana a largar o sonho da dança. Como estava em formação de personalidade, Mariana teve muitas dúvidas sobre como levar a gestação e a criação da criança e ouviu muito outras opiniões. Ela ficou pouco tempo com o pai da criança e o apoio da família foi fundamental para manutenção da rotina, boletos pagos e estudo.

Proximidade de gerações

Mariana agradece por sempre ter disposição para participar de brincadeiras e processos da infância da própria filha. E sempre fez de tudo para dar uma criação leve e usar a proximidade geracional com a filha para manter um relacionamento saudável e honesto. O que ajuda a empoderar ainda mais a filha, buscando entender, acolher, escutar e explicar as coisas. Coloca a filha em posição próxima, até mesmo de amizade. Bem diferente da geração dos pais da Mariana. Mariana escolheu usar sua experiência e idade próxima da filha a seu favor mesmo em uma época em que ela estava se construindo como pessoa.

“Precisamos correr muito mais atrás”. E é difícil se empoderar financeiramente sendo artista. Sendo mãe, artista e mulher, mais difícil ainda. Hoje, aos 29 anos, Mariana faz arte e alegra o coração de muitas e muitas pessoas de Belo Horizonte no Espaço Lona.

Entre seus trabalhos mais recentes, estão:

  • Coco da Gente (cocos do nordeste/cultura popular) – Cantora e percussionista
  • Boi Luzeiro (música autoral/cultura popular) – Cantora, flautista e percussionista
  • Grupo Arapuá (choro) – pandeiro e voz
  • Além do seu show solo, Chegança, lançado há exato um ano!

Para conhecer melhor seus trabalhos, clique aqui!

Você conhece alguma jovem mãe? Mande esse post para ela e lembre-se de procurar ajudar sempre!

 

Leia mais na Com Sensual:

Mãe após 40.

Junte-se à nós da Com Sensual

Clique aqui e siga@somoscomsensual 

Clique aqui e cadastre-se

deixe o seu comentário